maio 23, 2005

DOR (12)

Quisera eu hoje escrever,
escrever exatamente o que sinto
com todas as palavras
que desabafassem a minha dor.
Oh, não... eu não consigo.
Para isso teria que falar
muitas palavras obscenas...
Não valeria a pena!
Quem me leria?
Que ouvido me escutaria?
Que importância teria
o meu desabafo?
Quem se importaria
com a minha dor?
Esta dor
que não criei sozinha,
(mas só eu a sinto)...
É só minha!
Não adormece,
não sossega,
não me esquece.

Não, não há revolta,
somente há a impotência,
o pranto a esvaziar
a alma.
O coração, em suspenso,
surpreso a perguntar:
Por quê?

Quisera

5 Recados:

Em 1:46 da manhã, Blogger Poesia Livre escreveu...

Minha boa amiga Edni,

Como sempre as tuas palavras são delicias para os nossos olhos, sejam elas de dor ou de amor.Destaco do teu poema esta lindissima parte...(em dor)

"Esta dor
que não criei sozinha,
(mas só eu a sinto)...
É só minha!
Não adormece,
não sossega,
não me esquece."

Obrigado pela partilha
Um beijo cheio de ternura
{{coral}}

 
Em 5:32 da tarde, Blogger Uma estrela errante escreveu...

Belo!
Apesar da dor revelada.
Obrigada pela partilha!

beijo*

singularidade

 
Em 6:10 da tarde, Anonymous Anónimo escreveu...

Lindo poema...

Edni, parabéns...

Assin: Artur Rebelo (Versejador)

 
Em 11:06 da manhã, Blogger Poesia Livre escreveu...

Obrigado pela partilha...

Jinhos, e continua assim a escrever.

Artur Rebelo. (Versejador)

 
Em 2:16 da tarde, Anonymous fairy_morgaine escreveu...

porquê? caberá a nós entender os porquês do universo? não será esse o maior pecado humano?
ou talvez a sua maior demanda, quem sabe?
quisera eu poder dar-te as respostas.
quisera eu ser mais alta do que sou.

 

Enviar um comentário

<< voltar