maio 01, 2005

Dor (5)


A dor arde nas minhas entranhas
lágrimas de sofrimento e revolta
as feridas continuam sangrando
O tempo corre veloz
e as memórias estão presentes
nesta alma estilhaçada
Os laços foram quebrados
a indiferença separou-nos
Eu sou a sombra de alguém.
Quero sorrir, e vibrar
com ecos em gargalhada
derreter esta maldita dor
O meu sangue gela, e o coração endurece
mas a mágoa, perdurará para sempre.

singularidade

6 Recados:

Em 11:18 da tarde, Blogger Poesia Livre escreveu...

Isa,
Um poema forte, e recheado de palavras de dor muito sentidas!

"Os laços foram quebrados
a indiferença separou-nos
Eu sou a sombra de alguém."

Obrigado pela bela partilha que fazes neste cantinho.
{{coral}}

 
Em 12:47 da manhã, Anonymous Anónimo escreveu...

querida isa
que saudades eu tenho das tuas palavras e de ti.

Um beijo e um abraço daqueles bem apertadinhos

Rose**

 
Em 4:21 da tarde, Anonymous Anónimo escreveu...

Pergunto-me quando voltarás...

Pelo menos podemos sempre ler as tuas poesias neste canto...

Artur Rebelo

 
Em 6:07 da tarde, Blogger Cathy escreveu...

"as feridas continuam sangrando
O tempo corre veloz
e as memórias estão presentes"

Pois é Isa...quando doi..doi assim... de forma intensa fazendo sangrar a alma...que fica impotente perante o tempo que corre de tal forma que nos deixa desanimados por ver e rever nas memórias de sempre...dores que não saram...que massacram a própria mente...
Um beijo do tamanho(nao da tua dor..:(...)...mas da felicidade que mereces ter...IMENSA...
---m0rena---

 
Em 10:47 da tarde, Anonymous fadadafloresta escreveu...

Isa...
que palavras tão fortes..tão sentidas!
gostei bastante desta partilha!

bj
fada_O

 
Em 8:10 da tarde, Blogger Imortalidade escreveu...

O meu coração não tem nome
Vagueia nas mémorias do teu gesto
É um rumo constantemente repetido
Este, de te lembrar em minhas artérias.


Obrigada por não desistires da escrita..:))


Besos
Imortalidade/Akivasha

 

Enviar um comentário

<< voltar