maio 17, 2005

A DOR CAMINHA EM NÓS! (10)


No asfalto ardente
acenderam-se as dores
duma imortal paixão,
longa, quente, ardilosa,
e estupidamente dorida!
No asfalto ardente
a dor caminha em nós
em passos acelerados do fim
com cumplicidades itenerantes
de lágrimas chocadas, e
futigadas de sentir!
No asfalto ardente
caem dois corpos
que se escaldam
no gelo do coração,
mirrados pela censura
da sociedade (tão) puritana
quanto as pobres coitadas na esquina!
Esta dor que caminha em nós
não tem (estória)
morreu nas páginas do livro
que chegou ao escaparates
com todas as páginas em branco!
Dor que caminhas em mim
chega ao fim...esse teu caminho, porque
suspirei, e
apaguei-me em TI!

{{coral}}
18/04/2005

5 Recados:

Em 10:10 da tarde, Blogger Instantes Perdidos escreveu...

Que dizer da tua poesia linda.

Um exemplo de poesia lirica muito boa.

Beijo e continua a escrever com esta força imensa.

Assino: Artur Rebelo

 
Em 5:35 da tarde, Blogger Uma estrela errante escreveu...

Gosto muito de te ler.

Palavras profundas e sentidas.

beijinho

singularidade

 
Em 8:50 da tarde, Blogger Squeezy escreveu...

Mais um poema lindissimo, mas tb carregado de mta dor...

 
Em 12:11 da manhã, Anonymous fadadafloresta escreveu...

"No asfalto ardente
caem dois corpos
que se escaldam
no gelo do coração,
mirrados pela censura
da sociedade (tão) puritana
quanto as pobres coitadas na esquina!"
Este poema n so transparece dor como sentimentos muito maiores...
Adorei aforça das tuas palavras!
bj
fada_O

 
Em 6:07 da tarde, Anonymous ilunivia@hotmail.com escreveu...

Oi, que interessante . Fazendo uma pesquisa sobre imagens de rosto com lagrimas e me chamou a atenção, pois tenho um blog http://Neiva-poesiaecozinha.blogspot e também fiz uma poesia sobre o que acho que é poesia na cozinha. Amei a sua poesia também. Que legal essa coinscidência.

 

Enviar um comentário

<< voltar